Ofício-Circular n. 8, de 29 de março de 2005

Files in this item

Files View

There are no files associated with this item.

Title: Ofício-Circular n. 8, de 29 de março de 2005
Author: Brasil. Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT)
Unit responsible: Corregedoria Regional (CR)
Situation: NÃO CONSTA REVOGAÇÃO EXPRESSA
Subject: União Federal, habilitação de crédito, processo falimentar, Justiça do Trabalho, legitimidade, ausência, Procuradoria da Fazenda Nacional (PFN), competência, procedimento
Related legislation: Provimento TST 1/2012, que "Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados pelos MM. Juízos do Trabalho relativamente a credores trabalhistas de Empresa Falida ou em Recuperação Judicial e dá outras providências." Consolidação dos Provimentos da CGJT/2008, arts. 97 a 99, que trata das contribuições sociais no caso de reclamação trabalhista ajuizada contra massa falida.
Text: Ofício-Circular n. 8, de 29 de março de 2005

Ofício-Circular TRT-SCR-3- 008/2005

Ref. falência, habilitação

Senhor Juiz,

Informo a Vossa Excelência que o Doutor Cássio de Souza Salomé, Juiz de Direito na 2ª Vara de Falência e Concordatas de Belo Horizonte remeteu a este Tribunal o ofício nº 04441072-8 relativo ao processo nº 02404441072-8, solicitando que esta Corregedoria Regional "tome as medidas cabíveis concernentes procedimento devido a ser observado com relação às certidões de crédito da União Federal."
Decidiu aquele MM. Juiz, quanto à habilitação de crédito da União Federal na Massa Falida de Eusmec do Brasil Ltda que:
"a competência para habilitar crédito da União Federal, no processo falimentar é da Procuradoria da Fazenda Nacional. Conforme Lei nº 6.830/1980, para que os créditos da União Federal possam ser cobrados, como é o caso das custas processuais (art. 39 da Lei 4.320/1964), eles devem estar inscritos na dívida ativa da União. O processo administrativo para tal inscrição cabe à Procuradoria da Fazenda Nacional (LC 75/1993). Portanto, as Varas do Trabalho devem enviar as certidões juntadas nestes autos àquele órgão, e não às Varas de Falência. A aptidão para pleitear pretensão resistida é, em regra, dos titulares da relação jurídica material. Assim que, 'para propor ou contestar ação é necessário ter interesse e legitimidade' (art. 3º, CPC). A legitimidade é averiguada em abstrato, não se atingindo o mérito. Avalia-se da seguinte forma: sendo verdadeiros os fatos narrados, seriam as partes mencionadas as verdadeiras titulares dos direitos e deveres em foco? Conclui-se que, sendo a Procuradoria da Fazenda Nacional a parte legítima para habilitar os créditos da União Federal, não pode ser aceita ação intentada por outrem, no caso, a Justiça do Trabalho."
Solicito especial atenção de Vossa Excelência para a questão posta, qual seja, o entendimento do MM. Juiz da Vara de Falência e Concordatas sobre a ilegitimidade da Justiça do Trabalho para habilitar créditos da União Federal nos processos falimentares.

Cordialmente.

ANTÔNIO FERNANDO GUIMARÃES
Juiz Corregedor
Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região


This item appears in the following Collection(s)

  • Atos Administrativos
    Contém o inteiro teor dos atos oriundos deste Regional, tais como: atas, atos regimentais, atos regulamentares, circulares, comunicados, instruções normativas, ordens de serviço, portarias, recomendações, resoluções e resoluções administrativas.